jump to navigation

Novo Museu do Jurássico abre em 2010 na Lourinhã Julho 10, 2007

Posted by Vasco in História.
trackback

Previsto para abrir as portas em 2010, o denominado «Mundo dos Dinossauros» deverá atrair por ano 230 mil visitantes, o quíntuplo do Oceanário em Lisboa, indica um estudo de viabilidade do projecto ao qual a Lusa teve acesso.

O museu será apenas ao Dinopolis, um parque ligado à mesma temática e que se localiza a cem quilómetros de Barcelona, e ao Museu do Pão em Seia, que registam 220 mil visitas, acrescenta o mesmo documento.

«É uma oportunidade única de mercado, porque não existe em Portugal um espaço idêntico na área da paleontologia nem na área do desenvolvimento do conceito de aprendizagem/divertimento para as crianças», explicou a coordenadora da equipa de consultores da Audax, Ana Isabel Branquinho, empresa responsável pelo estudo de viabilidade económica.

Apesar de não ter conseguido até agora financiamento, o presidente da Câmara Municipal da Lourinhã, entidade que vai integrar a gestão do complexo museológico, considera que o projecto entrou numa fase decisiva.

De acordo com José Manuel Custódio, o Museu do Jurássico «é reconhecido pelo Plano Regional de Ordenamento do Território para o Oeste e Vale do Tejo como infra-estrutura imprescindível e necessária para o desenvolvimento de toda a região [Oeste]».

Por outro lado, tem já financiamento comunitário assegurado, uma vez que a equipa de Augusto Mateus, que está a elaborar o Plano de Acção para o Oeste, «indica que o parque temático tem condições de ter uma candidatura ao Quadro de Referência Estratégico Nacional».

Ascendendo a 20 milhões de euros, o projecto foi concebido a pensar na investigação científica, mas também nas crianças, aliando a conhecimento e a diversão, através da conjugação entre pontos de animação com recurso às novas tecnologias e a exposição de todo o espólio paleontológico existente.

O futuro parque dos dinossauros ficará localizado junto à entrada poente da vila da Lourinhã, numa área de 30 hectares de terreno, já prevista no Plano Director Municipal, dispondo de um museu e do primeiro jardim em todo o mundo que vai recriar a flora existente no período jurássico, de há 150 milhões de anos, dando a oportunidade ao visitante de conhecer a passo as diferentes eras geológicas.

Todos os motivos de atracção do futuro museu vão transportar os seus visitantes para o mundo em que viveram estes animais.

«A entrada no mundo jurássico será feita por uma ponte que funciona como uma verdadeira máquina do tempo», adianta André Ribeiro, da equipa consultora.

A futura Ilha das Magnólias, constituída por anfiteatro, restaurante e esplanada, é disso exemplo tendo em conta que, após o percurso pelo jardim, o visitante entrará no espaço através de uma cascata, que pretende recriar assim o ambiente natural do tempo dos dinossauros.

O edifício museológico possui uma arquitectura original, semelhante ao próprio corpo de um dinossauro, e vai ser construído com base nos conceitos de «eco-arquitectura», utilizando as energias renováveis e técnicas que tornem o espaço «bio-climático».

Diário Digital

Comentários»

1. ana vasconcllos de oliveira - Maio 1, 2009

io l s ma sim nsj snba erbsga dervsga in nmio miolase
juiol erdas bnas


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: